Viajar à boleia em França; Como e onde pedir; Porquê andar à boleia

8

Até Agosto deste ano (2009) eu era um daqueles que não me imaginava a andar à boleia. Ou antes, imaginava, mas achava sempre impossível, ou que não era para mim. Faltava-me dar o primeiro passo. Até que este ano, com pouco dinheiro e muita vontade de viajar decidi ir para França 19 dias.

Comprei voos de ida e volta e lá fui, com 300€ no bolso, que obviamente não dava para esbanjar em transportes e dormidas. A viagem revelou-se uma agradável surpresa desde a primeira hora. Apanhei ao todo 68 boleias com as quais percorri mais de 1100km

É fácil apanhar boleia em França?

Á boleia em FrançaSim! Muito fácil! Comecei a minha viagem à boleia em Andorra, e para meu espanto, em 30 segundos, o terceiro carro que passou parou. Isto foi fundamental para aumentar a confiança. A partir daí foi sempre a andar.

A grande maioria das boleias que apanhei foram por poucos quilómetros. Normalmente quem viaja à boleia, para grandes distancias procura boleias nas entradas de autoestradas, falando com condutores nas estações de serviço, etc. Mas eu quis faze-lo “à antiga” 🙂 :

Uma mão com o polegar esticado, a outra a segurar uma placa com o destino.

É também sabido que uma rapariga, ou várias têm mais facilidade em conseguir boleia do que um rapaz. Ainda assim safei-me bem. O tempo de espera foi normalmente de 10 a 15 minutos. Algumas vezes foi mesmo instantâneo: o primeiro carro a passar parava. Já noutras, esperei cerca de meia hora, uma vez esperei 1 hora e outra 2 horas! Foi o record!

Porquê viajar à boleia?

Viaducto de Millau, França
A primeira razão é óbvia: é o mais económico que há. Depois há outras:

Completa liberdade de horários e destinos: há boleia vai-se onde se quer e quando se quer. Não se está limitado a horários/destinos de autocarros ou comboios. E mesmo quando se vai a viajar, se se passa por algum local que parece interessante é só pedir ao condutor para deixar sair ali. Experimentem fazer isso num comboio quando for a passar num campo de girassois. Ele nem vai abrandar para tirar umas fotos.

Contacto com as pessoas locais. Também se pode conseguir num autocarro ou comboio, mas aqui é mais fácil e directo, porque se é obrigado. Normalmente quem pára para dar boleia vai sozinho e leva-nos para ter companhia para a viagem.

Ainda que sejam ambos de poucas palavras, ou haja dificuldade de comunicação por causa da língua, vai sempre acabar por haver conversa.

E é seguro viajar à boleia?

Este é o maior problema de toda a gente, especialmente das raparigas. A reacção normal duma rapariga quando falo de viajar à boleia é: “Para mim por ser mulher é impossível fazer isso que tu fazes.” Errado! Já li bastantes histórias de rapazes que tiveram problemas de ser roubados e agredidos pelos condutores, e conheço algumas raparigas que já fizeram milhares e milhares de quilómetros à boleia sem qualquer problema, inclusive em África e no Médio Oriente. É claro que digo isto porque não sou mulher, mas pronto, perdoem-me.

Neste caso especifico da viagem em França, tive medo por duas vezes: Numa delas, quando ia a chegar à cidade de destino, o rapaz que me levava entrou na autoestrada; afinal era só para contornar a cidade porque ele queria ir para a outra ponta. A outra, fui com um homem que olhava para mim com um olhar de admiração, e fiquei sem saber que tipo de admiração se tratava. No fim concluí que ele apenas estava a recordar os tempos de juventude.
De resto, zero problemas.

Como e onde pedir boleia

Placas de viagem à boleia em FrançaHá algumas dicas que podem facilitar muito no sucesso de conseguir boleia rapidamente, mas a experiência só se adquire com a prática. Nos últimos dias desta minha viagem já tinha mesmo um sexto sentido que me permitia adivinhar se os carros paravam ou não. 🙂

Fundamental em primeiro lugar é a escolha do local onde se pede boleia. Este deve ser um local onde os carros possam parar sem estorvar ao transito. Se a via é estreita e tem passeios de lado e há muito transito, é para esquecer. Ninguém vai parar aí. Tente escolher um local onde os automobilistas o consigam ver à distancia para terem tempo de decidir se param ou não. O ideal é a seguir a semáforos, rotunda ou cruzamentos. Deixe uns 10 a 20 metros de distância para eles.  O melhor na minha opinião são as rotundas.

Uma boa maneira de escolher o local, é consultar o Google Maps na Internet antes de ir para a estrada, e ver a vista de satélite do local onde se está. Especialmente para sair de cidades é muito útil, pois normalmente há sempre uma rotunda ou cruzamento à saída numa determinada direcção onde se juntam as estradas que vêm dos vários pontos da cidade para essa direcção.

A aparência também ajuda. O que é recomendado é usar roupas claras e não ter chapéus que tapem a cara. As pessoas gostam de ver que vão levar. Também é bom parecer turista mochileiro. As pessoas normalmente confiam mais nos estrangeiros. Se vêm alguém sem mochila vão pensar que é um drogadito ou um sem abrigo e não param.  Para isso eu colocava sempre a minha mochila junto a mim, e como era pequena tentava sempre meter algo mais em cima dela para parecer maior. Pode parecer ridículo, mas faz diferença.
Placas de viagem à boleia em França
O uso duma placa com o destino pode ser útil ou pelo contrário dificultar. A minha opinião é que se souber para onde quer ir e tiver com que fazer a placa, deve-a fazer. Primeiro, a placa dá mais o tal aspecto de “caroneiro” com dizem os irmãos brasileiros, e depois dá mais confiança a quem está a pedir boleia. Eu quando estava sem placa sentia que ficava com uma mão livre que não sabia muito bem onde a havia de por… O que pode acontecer em alguns casos, é haverem alguns condutores, que até podiam dar boleia por alguns quilómetros, e como não vão para o destino que está lá escrito não param.

Dica fundamental: apanhe sempre a boleia, ainda que esta só vá por mais 1km. Quem sabe se quando chegar a essa nova paragem não está de lá a sair um carro que o vai levar pelos restantes 300km da viagem. Isto aconteceu-me várias vezes, apanhar boleias por 1 ou 2km e quando saía do carro, apanhar de imediato boleia noutro que vinha a entrar na estrada.

Lembra-te: Se não desistires, alguém vai parar e levar-te!

Algumas páginas interessantes sobre o tema:

http://hitchwiki.org/

Algumas fotografias da viagem

Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

8 COMENTÁRIOS

  1. Olá,é mesmo como diz, uma sensação de liberdade, embora eu nunca o fizesse! E fez-me recordar um livro maravilhoso que li, ´História do rei transparente´ de Rosa Montero, que retrata a época medieval, e que são precisamente os destinos que percorreu.

    obrigada.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!