Igrejas escavadas na Rocha em Lalibela, Etiópia

4

Não são necessários mais motivos para ir à Etiópia: Lalibela basta. Se havia lugar no mundo que eu queria impreterivelmente visitar na minha vida esse lugar era Lalibela. E neste ano de 2015 consegui.

Enfado-me mais de escrever destas obras, porque me parece que não me crerão se mais escrever e porque, ao que escrito tenho, me poderão tachar de não verdade…

P.e Francisco Álvares em Verdadeira informação sobre a terra do Preste João das Índias.

Foi desta forma que o padre Francisco Álvares, primeiro ocidental a ver e escrever sobre Lalibela no século XVI encerrou a descrição do que os seus olhos viram. Seria desta forma que eu igualmente terminaria uma descrição deste lugar, se não a pudesse acompanhar de fotografias que testemunhassem a minha verdade.

Eu, junto à igreja de São Jorge em Lalibela
Eu, junto à igreja de São Jorge em Lalibela

Visitar Lalibela

Ao contrário do que se possa pensar, a cidade de Lalibela não é propriamente um local aprazível: muitas das ruas ainda são em terra, restaurantes têm preços inflacionados, há muito lixo pelo chão (e mesmo animais mortos) e, nenhuma sinalização que oriente o visitante. Aparentemente a situação tende a melhorar já que há muitas obras a decorrer na cidade.

Lalibela fica numa região montanhosa, a meia encosta de um enorme pico. Paisagem árida mas com algumas árvores e, a normal alta concentração de burros, cabras e ovelhas.

Vista panorâmica de Lalibela, a partir do Lalibela Lodge
Vista panorâmica de Lalibela, a partir do Lalibela Lodge

A cidade estende-se por uma área enorme, com montes e vales e, muitos hotéis. Há alguns no centro, onde também se concentram os principais serviços, como banco com caixa multibanco (ATM), escritório da Ethiopian Airlines, restaurantes e, hoteis baratos.

Os melhores hoteis ficam mais afastados das igrejas, 1 quilómetro ou mais, como é o caso do Lalibela Lodge, onde fiquei.

Agora, falando do que realmente interessa, as igrejas dividem-se em dois grupos: o grupo Noroeste e o grupo Sudeste. Há ainda a igreja de São Jorge, a mais conhecida, que fica isolada das restantes.

Como é de imaginar a construção destas igrejas está envolta em lendas que envolvem a colaboração de anjos na sua construção, igrejas que apareceram construídas numa noite, entre outras.

A sua construção terá começado no reinado do rei Lalibela, nos finais do século XII, mas por certo não terá sido terminada na sua vida, ao contrário do que por aqui é contado.

O rei Lalibela terá idealizado estas construções por forma a construir uma nova Jerusalém onde os etíopes pudessem peregrinar em segurança, já que a original era quase inacessível. A obra acabou por ir mais além ainda, tendo sido construídos os dois conjuntos de igrejas: o grupo Noroeste, representando a Jerusalém terrena e, a grupo Sudeste, representando a Jerusalém celeste. A separá-las há mesmo um “rio Jordão” escavado na rocha.

Mulher a secar cereais junto à igreja de São Jorge em Lalibela
Mulher a secar cereais junto à igreja de São Jorge em Lalibela

Ainda hei-de escrever uma página sobre o problema da Etiópia, mas fica desde já aqui o aviso. Lalibela é a grande atracção do país logo, concentra tudo o há de estratégias para enganar o turista. Evite comprar recordações aqui: uma cruz que em Addis Abeba custa 10Birr, aqui fica por 100Birr. Desconfie igualmente de crianças ou jovens que metem conversa consigo e, especialmente, daqueles que dizem que só querem praticar o inglês e depois acabam a pedir um livro escolar. Não compre! Está a ser enganado.

Bilhetes e horários para as igrejas

O meu bilhete para Lalibela
O meu bilhete para Lalibela

O bilhete para visitar as igrejas custa actualmente uma pequena fortuna: algo como 50$ USD, convertidos para Birr à taxa do dia. Este bilhete é válido por 3 dias para entrar em todas as igrejas, portanto guarde-o bem. Simplesmente não se visita Lalibela num dia. Se vem até aqui fique pelo menos 2 dias.

À entrada de todas as igrejas, o padre ou um guarda vão-lhe pedir para mostrar o bilhete. Chega a ser chato.

As igrejas estão abertas das  08h00 às 17h00, fechando das 12h00 às 14h00 para almoço dos padres e guardas.

A bilheteira fica junto à igreja de Beit Medhane. Cá fora os guias que tentam vender os seus serviços são como moscas. O preço que cobram é de uns 400Birr por dia. Eu preferi visitar tudo sem guia, embora por vezes me tenha sentido um pouco perdido.

Vídeo em time lapse da igreja de São Jorge em Lalibela

Fiz este vídeo junto à igreja de Lalibela, numa altura em que se encontrava aí um grande grupo de estudantes de uma universidade de Addis Abeba. Foram muitos os que meteram conversa e queriam tirar fotografias comigo.

O mais incrível foi um deles, quando lhe disse que era português, recordar logo que Portugal era a terra do Padre Francisco Álvares. Sabia o nome e o ano em que este tinha lá estado: 1520. Era estudante de turismo e, já tinha estado um ano a viver em Espanha. Grande momento de orgulho português.

Grupo Noroeste

Uma vez que os bilhetes são comprados junto ao grupo Noroeste, na primeira tarde que estive em Lalibela comecei por visitar precisamente esse grupo.

Infelizmente, assim que se aqui chega o que mais se destaca são as enormes coberturas que actualmente protegem as igrejas. Há que compreender no entanto que estas são um mal necessário para garantir que este património da humanidade se mantenha para as gerações vindouras.

A visita começa inevitavelmente pela igreja de Bet Medhane, a colossal e majestosa igreja de São Salvador. Trata-se tão só da maior igreja monolítica do mundo, medindo uns espantosos 33,5m por 23,5m, escavados num único bloco de rocha. No seu interior 38 colunas suportam o tecto, dividindo a igreja em 5 naves.

Igreja de Beit Medhane em Lalibela, Etiópia
Igreja de Beit Medhane em Lalibela, Etiópia

Saindo desta igreja, começa então a aventura por Lalibela. Como as igrejas foram escavadas na rocha, ficam todas abaixo do nível da solo normal rodeadas por um pátio. Para descer até elas há uma ou outra escada ou rampa. Para circular entre igrejas há túneis ou pequenas galerias que ligam os vários patios.

Em frente à igreja de São Salvador há logo um pequeno túnel que a liga à igreja de Bet Mariam.

Igreja de Bet Mariam em lalibela, Etiópia
Igreja de Bet Mariam
Homens a fazer cordas a partir de sacos junto à igreja de Bet Mikael
Homens a fazer cordas a partir de sacos junto à igreja de Bet Mikael

A igreja de Bet Mikael e Bet Golgotha são unidas uma à outra e, são aquelas que apresentam um interior mais interessante. As paredes de Bet Golgota estão ricamente decoradas com esculturas dos 12 apóstolos em tamanho real. É também neste que se encontra a sepultura do próprio rei Lalibela, que mandou edificar estas igrejas.

Quando visitei, junto à entrada os guardas aproveitavam o tempo para desfiar velhos sacos para depois, com os fios, tecerem cordas.

Interior da igreja de Bet Golgotha
Interior da igreja de Bet Golgotha

Anexa a Bet Golgotha, Bet Mikael, por onde se entra, possui os únicos pilares cruciformes de Lalibela. Esta é acessível a mulheres que no entanto não poderão entrar na de Bet Golgotha.

Interior da igreja de Bet Mikael, com os seus pilares cruciformes
Interior da igreja de Bet Mikael, com os seus pilares cruciformes

Igreja de São Jorge

A inigualável igreja de São Jorge é a obra prima de Lalibela. Embora de dimensões mais reduzidas que a maioria das outras igrejas, São Jorge ou Bet Giyorgis deixa-nos de queixo caído assim que a avistamos.

Como foi construída numa rocha mais dura, esta igreja não foi dotada de uma intrusiva cobertura artificial como as demais. Em vez disso encontra-se ao natural, como sempre esteve.

Igreja de São Jorge em Lalibela
Igreja de São Jorge em Lalibela

Logo no primeiro dia, depois de comprar o bilhete e visitar umas quantas das igrejas do grupo Noroeste, decidi procurar esta igreja, já que fica um pouco afastada das outras e, não há qualquer indicação.

Acabei por ir acompanhado por uns miúdos que entretanto tinham metido conversa comigo e me levaram lá, ja esta estava para fechar. Volte no dia seguinte, pela hora de almoço depois de ter andado de manhã pelo grupo Sudeste.

Igreja de São Jorge em Lalibela, Etiópia
Igreja de São Jorge em Lalibela, Etiópia

Pelas 14h00 chegou o padre que se aproximou de mim, que era o único visitante por ali, e me convidou a descer com ele. No pátio em redor da igreja uma mulher, provavelmente a esposa dele, já que os padres etíopes se podem casar, estendia grãos de cereais sobe um pano para secarem. Os padres e suas famílias vivem por vezes junto às igrejas, em pequenas casas igualmente escavadas na rocha.

Padre a abrir a porta da igreja de São Jorge em Lalibela, Etiópia
Padre a abrir a porta da igreja de São Jorge

O interior deste igreja não tem igualmente nada de extraordinário: duas telas, uma velha outra nova, representam o padroeiro, São Jorge e dois grandes baús de madeira que segunda a lenda foram feitos pelo próprio rei Lalibela, guardam os tesouros da igreja.

Muito simpático mas obviamente a fazer-se à grojeta, o padre não me deixou sair sem antes fazer pose para lhe tirar uma foto.

Padre etíope no interior da igreja de São Jorge, Lalibela
Padre etíope no interior da igreja de São Jorge

 

Grupo Sudeste

No meu segundo dia em Lalibela comecei por explorar o grupo Sudeste, a Jerusalém Celeste, que fica poucas centena de metros acima das outras. Uma das igrejas, a de Gabriel Rafael estava fechada para obras, pelo que comecei a minha visita pela de Abba Libanos.

Igreja de Bet Gabriel-Rufael (em obras) no grupo Sudeste
Igreja de Bet Gabriel-Rufael (em obras) no grupo Sudeste

Reza a lenda que Abba Libanos foi construída numa noite pela esposa do rei Lalibela, Meskel Kebra, obviamente, com a ajuda dos anjos. Esta igreja, ao contrário da maioria está como que numa gruta, não tendo sido escavada de cia para baixo mas na lateral.

Igreja de Aba Libanos, em Lalibela, Etiópia
Igreja de Aba Libanos, em Lalibela, Etiópia

Seguindo por pequenos túneis, galerias e escadas chega-se à igreja de Bet Emanuel. Esta é de todas aquela que tem as paredes mais trabalhadas, quer por fora, quer por dentro, fazendo frisos em todo o redor.

A igreja de Emanuel é muito obrada de dentro como de fora, é pequena, tem de comprido 42 palmos em vão, em largo 20. Tem três naves, a do meio é muito alta e muito revinda, abobadada, (…)

Têm mais as paredes de fora desta igreja o que não têm as outras, a saber, como fiadas de paredes e uma sai para fora e outra entra para dentro dois dedos e outra torna a sair e outra a entrar (…)

P.e Francisco Álvares em Verdadeira informação sobre a terra do Preste João das Índias.

Igreja de Bet Emanuel no grupo Sudeste
Igreja de Bet Emanuel no grupo Sudeste

Entre a de Emanuel e a de Abba Libanos, fica a escura igreja de Bet Merkorios, junto à qual se inicia o túnel que vai até à igreja de Gabriel Rafael, no topo do grupo. Terá de levar uma lanterna já que o estreito túnel não tem iluminação.

Entrada no túnel junto à igreja de Bet Amanuel
Entrada no túnel junto à igreja de Bet Merkorios

Mais fotografias de Lalibela

Neste álbum no Flickr tenho todas mais de 100 fotos das igrejas de Lalibela.

Como chegar

Embora seja a principal atracção do país, Lalibela fica longe de tudo. Há autocarros para Addis Abeba mas a viagem demora dois dias. Sim, as viagens por terra na Etiópia demoram uma eternidade. A muito custo parece ser possível chegar cá a partir de Gondar ou Bahhir Dar num dia, mas começando bem cedo.

A solução para quem não tiver tanto tempo assim acaba por ser voar.

Diariamente há 1 ou 2 voos para Axum, Gondar e Addis Abeba. Eu optei por chegar cá de avião vindo de Axum e voar de novo para Addis. Não foi de longe a solução mais económica nem aquela que eu mais gostava, mas era voar ou gastar 3 ou 4 dias em viagem, os quais eu não tinha livres.

Na época baixa pode comprar os bilhetes no próprio dia ou no dia antes mas, em épocas festivas convém reservar com muita antecedência e confirmar o voo um ou dois dias antes.

Alojamento

Quando aterrei em Lalibela ia mais uma vez sem nada planeado para onde dormir e, tal como em Gondar, logo à saída do avião, no pequeno aeroporto, deparei-me com várias bancas de hoteis, embora muitas delas vazias, já que estava em época baixa.

Na verdade naquele dia fomos apenas 3 os passageiros a sair do avião proveniente de Axum ali, em Lalibela. Para nos transportar até à cidade havia apenas um mini-autocarro. Um rapaz que se meteu comigo disse que me levava a um local porreiro para ficar, com boas condições, restaurante, wi-fi, água quente a toda a hora, por 35USD.

É verdade que era um pouco acima do meu orçamento, mas dadas as condições oferecidas e, serem as últimas noites na Etiópia, aceitei, sem compromisso.

Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia
Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia

Quando cheguei ao local, o Lalibela Lodge, deparei-me com algo muito melhor do que poderia imaginar para os 35USD: quarto enorme, com varanda com vista para a cidade, super limpo, mobília em madeira trabalhada, wi-fi que até funcionava bastantes vezes. Aceitei logo.

Quarto do Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia
Quarto do Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia
Restaurante do Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia
Restaurante do Lalibela Lodge, hotel em Lalibela, Etiópia

Mapa de Lalibela

Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

4 COMENTÁRIOS

  1. bom dia , meu nome é Gabriella estou cursando o 7º ano do ensino fundamental do colégio Pedro II do Rio de Janeiro, preciso fazer um trabalho escolar sobre IGREJA DA LALIBELA, ETIOPIA
    Você pode me responder algumas perguntas?

    1) Quando esses monumentos foram construídos? Com que finalidade?
    2) Eles ainda estão preservados? Sofreram modificações?
    3) Como são utilizados ultimamente?
    4) Qual a importância desses patrimônios para as sociedades que os abrigam na atualidade?

    Meus agradecimentos.

  2. Acabei de fazer a mesma visita, nos exactos termos em que a descreveu, mas fui acompanhada com um guia; tudo o que possamos dizer ou descrever é pouco e incomparável com a vista directa das igrejas e mosteiros. Em vez de ler o guia do Lonely Planet devia antes ter lido o seu blog, é bem mais completo e próximo da realidade. Grata pela partilha

    • Olá Joana,
      Obrigado pelas suas palavras.
      O seu comentário trouxe-me a reler este artigo e, voltei a ficar com a pele toda arrepiada. Sem dúvida que Lalibela é mágica.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.