Deshengbao – a outra Muralha da China

0

Foi amor à primeira vista. É impossível ficar indiferente perante a imponência da Grande Muralha e eu, apaixonei-me por ela quando a percorri em Jiankou. No dia seguinte à caminhada pelas secções de Jiankou e Mutianyu próximo de Pequim, parti da capital da China para a cidade de Datong. Nos meus planos estava visitar as grutas de Yungang e o mosteiro suspenso de Xuánkōng Sì.

Deshengbao torre forte
Torre no centro da muralha do forte de Deshengbao

Depois de um longo dia a visitar Datong, as grutas Yungang e o mosteiro suspenso, sobravam-me algumas horas na cidade antes de apanhar o comboio ao final do dia com destino a Pingyao. Depois de alguma pesquisa descobri que ali próximo haviam algumas secções menos conhecidas da Grande Muralha.

Para lá chegar deveria apanhar um autocarro junto à estação de comboio e depois caminhar um pouco até à aldeia de Deshengbao. Foi o que fiz no dia seguinte pela manhã.

De Datong a Deshengbao

Depois de um revigorante pequeno almoço, saio do hotel. Na rua estão alguns graus abaixo de zero, mas um bonito céu azul. Levo já a minha mochila. É a vantagem de viajar com apenas 5kg de bagagem. Do meu hotel até à estação são alguns quilómetros, pelo que apanho o autocarro 35 para vencer parte do caminho.

datong mini autocarros
Mini autocarros junto ao restaurante Tong He Da Fan Dian em Datong

Junto à estação sou obviamente assediado pelos taxistas, desejosos por me levar aos locais que já visitei no dia anterior. Passo a estrada, pois vejo do outro lado, junto ao restaurante Tong He Da Fan Dian mini-autocarros que vão na direcção de Fengzhen. Com a ajuda do telemóvel lá faço entender que quero ir para Deshengbao. Esperemos que a carrinha encha, partindo pelas 10 da manhã. A viagem custa 15RMB.

Deshengbao datong minibus
A caminho de Deshengbao, já com uma torre em ruínas no horizonte

A condução é assustadora. Os primeiros quilómetros são por fumarentas zonas industriais onde os camiões carregados aguardam a sua hora. Depois seguem-se quilómetros de viveiros de árvores de várias espécies, sobretudo resinosas, no que parece ser um esforço por florestar o país. Uma hora depois a carrinha pára num cruzamento. Sou o único passageiro a sair.

Um forasteiro em Deshengbao

Do cruzamento até à aldeia é pouco mais de um quilómetro. A estrada pela planície, rodeada de campos agrícolas faz lembrar o Alentejo. Pessoas na rua são escassas.

Ao aproximar-me a muralha começa a revelar-se. Junto à entrada da aldeia decorrem obras daquilo que parece que virá a ser um centro de acolhimento a visitantes. Também a no que resta da muralha há obras, felizmente já concluídas no portão principal.

Deshengbao restauro muralha forte
Obras de restauro na muralha do forte de Deshengbao
Deshengbao porta muralha
O bonito portão de Deshngbao com a sua glória recuperada

Imagino o que dirão sobre mim um grupo de mulheres que se ri enquanto fala depois de me avistar. Não me parece que seja comum aparecerem estrangeiro por aqui, especialmente sozinhos.

O portão deste primeiro forte que visito é deveras interessante: os caracteres chineses envoltos num rendilhado de pedra dão as boas vindas a quem chega. Pelo menos assim quero acreditar. No chão, as pedras têm gravados os rodados das carruagens.

Deshengbao rua aldeia
Rua pacata no interior da muralha de Deshngbao, China

Uma larga avenida recentemente restaurada conduz ao centro do forte. A ladeá-la estão pobres casas dos camponeses construídas com os tijolos retirados da própria muralha. Esta situação faz-me lembrar o que aconteceu em Portugal no passado, em que muitos dos nossos castelos foram abandonados e pilhados tendo a reconstrução sido levada a cabo nos anos 1940 pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. O rigor histórico dessas (e destas) reconstruções? Bom…

Cruzo-me com poucas pessoas, todas elas já com alguma idade. No centro há uma torre a que subo e consigo ter uma melhor vista do local onde me encontro.

Deshengbao tijolos casa
Tijolos ancestrais utilizados na construção das casas em muros.

Dos fortes de Deshengbao à Grande Muralha

Deshengbao foi um importante posto comercial das rotas da seda no século XVI. Eram aqui transaccionados entre chineses e mongóis, cavalos e chá. Este primeiro forte que visito era como que o centro da cidade, com templos e palácios. Saio daqui para um outro, mais a norte, onde funcionava o mercado. Hoje as muralhas de barro protegem apenas campos de cultivo. Fora destas há mais agricultura, estufas, tractores, burros e vacas. Ao fundo está a muralha.

Deshengbao campos cultivo forte
Campos de cultivo no interior da antiga fortaleza comercial
Deshengbao burro china
Burro junto à muralha
estufa china
Estufa agrícola em Deshengbao, China
muralha china Deshengbao
O pouco que resta da antiga grande muralha em Deshengbao
Deshengbao muralha china
O pouco que resta da antiga grande muralha em Deshengbao

Onde outrora existia uma monumental porta na grande muralha hoje pouco mais se vislumbra que um amontoado de barro e alguns tijolos. O monte que define a muralha estende-se até ao rio terminando no esqueleto de uma torre. Este é sem dúvida uma muralha bem diferente da primeira que vi.

De volta a Datong

Com o avançar da hora, passo ainda pelo terceiro forte que tinha funções militares. Hoje alberga mais casas de camponeses. Chego ao cruzamento onde desembarquei de manhã pelas 13h00. Como tenho comboio às 16h40, ainda tenho algum tempo.

Passam alguns autocarros e mini-autocarros no sentido inverso, mas nenhum para Datong. O trânsito é dominado por camiões. Passam também alguns táxis que abrandam ao passarem por mim. Mando-os seguir. Afinal ainda tenho algum tempo.

mochila estrada china
A minha mochila na estrada, à espera de autocarro de regresso a Datong

Pelas 14h00 aproxima-se finalmente um autocarro que vai em direcção a Datong. Faço-lhe sinal para parar. Leva umas 5 pessoas, bem animadas. De uma forma geral nesta viagem na China encontrei pessoas alegres e que se tentam meter comigo nos autocarros. A barreira linguística é sempre a maior dificuldade.

Neste caso temos uma ajuda: há uma rapariga que fala inglês, para grande alegria minha e dos restantes passageiros. Todos fazem perguntas para ela traduzir. Ainda que com um inglês básico e alguma dificuldade em compreender, por notória falta de experiência, a rapariga é super educada no falar.

Passa assim muito rápido esta viagem de regresso. Chego com tempo para ceder à tentação e ir almoçar ao Mc Donalds ali mesmo ao lado da estação.

Informação prática para visitar Deshengbao

Deshengbao é uma pequena aldeia 50km a norte de Datong, na província de Shanxi. Para lá chegar há mini-autocarros frequentes que partem quando estão cheios, de junto ao restaurante Tong He Da Fan Dian. Quando se sai da estação de comboio fica à direita. O preço é de 15RMB.

Haverá autocarros a partir de outros terminais da cidade, mas sem falar chinês pode ser mais complicado. Aqui é certo. Basta apanhar um que vá para Fengzhen (丰镇市). Também é possível ir de táxi. Será um questão de negociar o valor.

A visita a todo o espaço é livre: não há ninguém a cobrar bilhetes. Há alguns painéis informativos em chinês e num miserável inglês.

Para alojamento em Datong, recomendo o Pipa Hotel, o hotel com melhor relação qualidade preço em que fiquei na China.

Este artigo pode conter links afiliados.
Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.