12-08-2008 Tour de Jeep em Wadi Rum

0

O dia 12 começou bem cedo, com o autocarro à nossa espera às 6 da manhã para nos levar até ao deserto mágico de Wadi Rum. Marcamos no dia anterior no hostel um tour de jeep no deserto, que terminaria com um jantar e dormida em tendas dos beduínos, tudo isto por 35€.  Para facilitar a vida aos turistas, existe um miniautocarro que faz a recolha pelos vários hotéis de Wadi Musa (Petra) e os leva direitinhos a Wadi Rum onde já os espera o guia para esse dia. Chegámos assim pelas 9 à aldeia de Ram, onde fomos recebidos com chá. A nós os 3 juntaram-se mais um fotógrafo Israelita, Dois italianos, um dos quais estava a estudar língua árabe na Síria e o outro que só falava italiano, e duas raparigas inglesas, uma das quais filha duma brasileira. Após quase uma hora de descanso e apresentações nos sofás do nosso anfitrião, partimos para a aventura, com uma primeira paragem numa mercearia para comprar água e comida  para o almoço que não estava incluído.

Vale de Rum visto da nascente de Lawrence

O primeiro local visitado foi a “Lawrence Spring”, uma nascente de água a meio da encosta rochosa da montanha, mesmo junto à aldeia de Rum, baptizada assim devido ao famoso militar inglês T.E. Lawrence, e ao filme que conta a sua história e que celebrizou este cantinho do mundo. Estranhamente a fonte situa-se a meio da encosta duma das muitas montanhas rochosas. Lá em cima cresce uma figueira na água verde e é possível ver algumas cabras selvagens perdidas pelas encostas. A subida por o meio das rochas não é fácil. Não há caminho, é mesmo a trepar, mas a vista lá de cima compensa todo o esforço.

A nossa viatura todo-o-terreno no deserto de Wadi Rum

Embora vulgarmente chamado de deserto, Wadi Rum pode ser mais correctamente apelidado de “porta do deserto”. Há ainda bastante vegetação que se mistura com a areia e as rochas, asism como bastantes animais, sobretudo pássaros e cabras selvagens. As dunas de areia não raras e como tal, todos os tours de jeep incluem uma paragem numa. A areia é finíssima e escaldante. As duas raparigas inglesas ousaram ir de chinelos e por isso nunca se poderam afastar muito do jeep, pois as altas temperaturas queimam os pés. Nós os outros, aproveitámos a duna ao máximo para correr e rebolar 🙂

Fabulosa vista do deserto de Wadi Rum, do topo de uma duna

Ali próximo visitamos também uma enorme fenda na rocha, um local bastante fresco e um pouco húmido onde se juntam os animais para beber água. Ainda da parte da manhã fomos levados a uma rocha onde se podem observar algumas gravuras rupestres, que mostram que em tempos este já foi um local mais acolhedor. Todo o imaginário deste deserto anda à volta do Lawrence da Arábia, e é possível visitar também as ruínas duma casa por onde ele terá passado.

Uma fogueira para preparar o chá

Por volta da uma da tarde, debaixo dum sol escaldante, o nosso guia levou-nos até uma fenda na rocha onde nos preparou um chá e podemos almoçar e descansar um pouco.  Ficámos por lá umas duas horas em que podemos aproveitar para descansar um pouco deitados no chão.Da parte da tarde partimos para o últimos dos locais que iríamos visitar, um enorme arco de pedra.

Embora seja um pouco perigosa a subida, especialmente para os menos preparados, o guia quase obrigou todos a subirem. Se fosse na Europa medricas já tinha sido proibido. Para nós, depois  estágio do dia anterior no “Adventure Canyon” em Petra foi uma brincadeira de crianças 🙂

Terminado isto dirigimos-nos ao campo onde ia-mos pernoitar.  O local não tem nada de luxos. É um amontoado de algumas tendas beduínas com camas e colchões lá dentro, mas um edifício para a cozinha e outro para a casa de banho. Somos autorizados a tomar um banho, que tem de ser rápido pois estamos no deserto e a água escasseia. Enquanto  jantar cozinha os nossos anfitriões aproveitam para jogar futebol, enquanto nós passeamos pelas rochas em redor e esperamos pelo por do sol.

Por do Sol sobre o nosso acampamento no deserto

Ao jantar tivemos um delicioso e bem servido frango assado debaixo da areia, seguido dum chá e musica tradicional à volta da fogueira.  A noite não podia ter sido mais bem escolhida.  É a noite do ano em que há mais estrelas cadentes. Como é possível trazer as camas e os cobertores para a rua foi decisão unânime dormirem todos na rua. Eu felizmente acordei pelas 4 da manhã e pode ver um espectáculo sem igual. A Lua já se tinha posto, e o sempre sempre maravilhoso céu de deserto era adornado com aproximadamente 1 estrela cadente a cada 2 segundos cheguei mesmo a ver passarem 4 ao mesmo tempo.  Um espectáculo sem igual.

Clique aqui para ver os outros dias desta viagem

Este artigo pode conter links afiliados.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.