Guia de viagem para Roma

2

A viagem começou em Roma, depois de um voo TAP a partir de Lisboa que chegou a Fuimicino por volta das 22:45. Sendo esta uma viagem low cost, a primeira noite foi passada no aeroporto.

Aeroporto Fiumicino, Roma, Itália

Aeroporto Fuimicino

Fiquei surpreendido com a quantidade de gente que passa a noite naqueles (confortáveis) sofás, e com o facto de ninguém (seguranças) incomodar.

Dormi pouco. Quase nada mesmo. A juntar à emoção de estar a começar a maior viagem da minha vida até à data, fazia-se sentir um calor infernal dentro do terminal.

Pela manhã, depois de fazer a higiene matinal num dos WC do aeroporto, Apanhei o primeiro comboio para Roma. O aeroporto fica a cerca de 30km da cidade, e entre as 6:30 e as 23:30 há comboios frequentes que ligam a cidade ao aeroporto por 11€. Fora dessa hora só de táxi, por uns módicos 50€, absolutamente incomportáveis para um estudante universitário português.

Aeroporto Fiumicino, Roma, ItáliaLeonardo Express

A primeira impressão fui um pouco negativa, tenho que o reconhecer. Para nós que estamos habituados à vivacidade das cores dos nosso edifícios, a cor de tijolo predominante em todos os edifícios dá à cidade um ambiente pesado e um aspecto sujo, que se faz sentir sobretudo nos subúrbios percorridos nos últimos metros no comboio.

Cheguei assim à cidade eterna pelas 7 da manha com uma vontade de “devorar” tudo. Fui logo ao hostel onde tinha feito a reserva para as duas noites, e como é óbvio, àquela hora ninguém me atendeu (erros de viajante novato). Deixei então a mochila na estação, comprei um bilhete de um dia, valido para autocarros e metro, por 4€, e dirigi-me às catacumbas.

Catacumbas, Roma, itália

Entrada das Catacumbas de S. Sebastião

As catacumbas são cemitérios cristãos, que ficam fora da cidade, escavados nas profundezas da terra. São constitutivos por uma rede labirintica de túneis escavados numa terra de origem vulcânica que em contacto com o ar solidifica como se fosse rocha. Foram construídos devido a falta de espaço para sepultar os mortos. Ao contrario dos Romanos, os cristãos acreditam na ressurreição dos mortos, daí que conservem o corpo em vez de o cremarem. Visto que as primeiras comunidades eram pobres e não tinham dinheiro para terrenos para sepultar tantos corpos, a solução foi escavar túneis. Visitei as catacumbas de S. Sebastião e de S. Calisto.

Catacumbas, Roma, itáliaEntrada das Catacumbas de S. Calisto

Se todos os caminhos vão dar a Roma, sem dúvida que a Via Appia é a mais enigmática de todas. Foi por ela que caminhei, tal como fez S. Pedro.

Roma, Itália

Via Appia

É pouco mais de 1km, pelos campos, sempre rodeados de ruínas romanas. Pelo caminho passei pela capela de “Quo Vadis” local onde segundo a tradição Pedro se terá encontrado com Cristo quando se dirigia para Roma para aí ser martirizado, e Ele lhe perguntou: “Quo Vadis?” (Onde vais?).

Roma, ItáliaIgreja de Quo Vadis

O meu plano para Roma, era ver o máximo possível portanto, uma vez que ali perto ficava a igreja de S. João de Latrão fui visita-la, isto depois de comer uma “bucha” tradicionalmente portuguesa de pasteis de bacalhau. Para alguém acostumado à pequenês de Portugal, qualquer igreja de Roma é espantosa! Apercebi-me disso logo aqui, numa das maiores de Roma e que tem no interior colossais estátuas dos 12 apóstolos:

Roma, Itália

Basilica de São João de Latrão, Roma, Itália
Basílica de S. João de Latrão

De tarde comecei por ir ao hostel fazer o check-in e deixar a mochila. Fiquei no Navigator hostel, que prima pela sua localização e preço e pela estranha simpatia das duas raparigas que o dirigem. Por 18€ em época alta, tem-se direito a uma cama a 5 minutos a pé do coliseu e da estação de comboio e a um bom pequeno almoço. Estando ali tão perto, comecei a Roma “romana” pelo Coliseu.

Coliseu de Roma, Itália

As filas a entrada desencorajaram-me logo. Roma nestes dias de Verão está sobre-lotada, e visto que só ia passar dois dias na cidade decidi observa-lo apenas por fora e ao maravilhoso arco de Constantino.

Arco de Constantino
Arco de Constantino
Hail Cesar!
Hail Cesar!
Ruinas do Forum Romano
Ruínas do Fórum Romano

Vislumbrei pela primeira vez a cúpula da Basílica de S. Pedro enquanto visitava o museu do monumento a Vittorio Emanuelo primeiro rei da Itália unificada. Todas as igrejas de Roma parecem querer imitar a obra prima de Miguel Ângelo o que pode confundir os mais incautos.

Monumento a Vitorio Emanuel
Monumento a Vitorio Emanuel

Toda a cidade está repleta de ruínas, e onde não as há, estão a decorrer escavações. As duas obras que mais me impressiona (mesmo mais que o coliseu), são a coluna de Trajano, que com 38 metros de altura, se mantém de pé há 1900 anos para contar a história das campanhas militares contra os Dácios, e o Panteão, a mais bem conservada obra Romana, pioneira no uso do betão, com o seu belíssimo óculo por onde os raios de sol entram para se repartirem em sombras geométricas.

Panteão
Panteão
Óculo do Panteão
Óculo do Panteão

Felizmente que em Roma a água é um direito do qual todos podem usufruir gratuitamente nas inúmeras bicas de onde jorra agua fresca. Foi um dos factores que mais me fez sentir em casa, não por comparação com o meu país, onde a água publica é sempre impropria para consumo, mas pela sensação de segurança que este liquido transmite, especialmente quando se caminha para nações onde esta é dos bem mais valiosos da terra.

Piazza Navona
Piazza Navona

Se a Itália foi um país de artistas, em Roma a Piazza Navorna é a prova de que ainda o é. Com um hectare de área não está coberta de relva verde e linhas brancas. É ocupada por muito mais do que 22 artistas. São às dezenas, se não centenas, desde músicos a pintores e escultores que têm a sorte de viver no país que mais apercia as belas artes.

Musicos na Piazza Navona
Musicos na Piazza Navona
Fonte de Trevi
Fonte de Trevi

Roma não seria a mesma sem a fonte de Trevi. Outrora fim dum dos principais aquedutos de Roma, a versão que hoje vemos é o a personificação do romantismo que paira sobre a cidade, cuidada por zelosas policias que fazem soar o estridente apito quando alguém ousa tocar na sua água, tarefa complicada quando se têm algumas centenas de turistas em seu redor.

Sair da pequena praça onde esta se encontra pode ser uma aventura só à altura dum escuteiro bem preparado com mapa e bússola.

Segundo dia em Roma

Ir a Roma e não ver o Papa, é como … ir a Roma e não ver o Papa. Mas foi isso que me aconteceu na minha primeira visita à cidade: o Papa andava pela Austrália por ocasião da 23ª Jornada Mundial da Juventude. O meu segundo dia em Roma foi portanto dedicado ao Vaticano.

A ténue linha de fronteira que separa o Estado do Vaticano da República Italiana está entre as mais fáceis de transpor no mundo. Livremente qualquer um, cristão ou idolatra, entra-se naquela que já foi a capital do mundo.

Entrada na Praça de S. Pedro
Entrada na Praça de S. Pedro

Segurança só a entrada da basílica e do museu. Para além das armas que não passam pelo controlo de raios-x, são também barradas as senhoras que queira entrar com os ombros descobertos, decotes bombásticos ou saias demasiado curtas, pois seria um atentado à santidade do lugar.

Valia por si só uma ida ao Vaticano, mas por estar lá, no meio duma das maiores (se não a maior) colecção de arte do mundo, “La Pietá” de Miguel Ângelo é pouco mais do que “mais uma” escultura. Para mim é sem duvida a mais bela obra de arte que vi até hoje.

La Pietá
La Pietá

Não sei o que recomende, se entrar na basílica pela porta principal e ser longo confrontado com tamanha beleza, se fazer o caminho pelos subterrâneos onde se encontram os túmulos papais, entre os quais o de S. Pedro, para depois, como que a ascender da morte entrar gloriosamente no centro da basílica por de baixo do altar mor.

Altar da Basilica de S. Pedro
Altar da Basílica de S. Pedro
Eu na praça de S. Pedro
Eu na praça de S. Pedro

Imagine que para ir de Portalegre a Castelo Branco, tinha de dar a volta por Espanha. É o que acontece com o Vaticano. Para ir da praça de S. Pedro para o museu do Vaticano, tem de sair e contornar as muralha até à entrada.

Pátio interior
Pátio interior
Pátio interior
Pátio interior

Visitar o Museu do Vaticano sem guia é uma prova de fogo aos níveis de ansiedade. A qualquer momento podemos cruzar uma porta e deparar com a Capela Sisitna. Enquanto isso não acontece, deambula-se por divinas salas onde as peças estão distribuídas por temas. Deixo alguns exemplos:

Sala dos animais
Sala dos animais
Sala dos Mapas
Sala dos Mapas, pintada com mapas da Itália
Pormenor dos frescos
Pormenor dos frescos

Foi com muito gosto e algum espanto que verifiquei uma certa abertura pelo Vaticano ao exibir lado a lado numa sala dedicada à ciência e astronomia, as esferas armilares que representam os modelos heliocêntrico ou geocêntrico, que literalmente, fizeram rolar algumas cabeças, e são ainda hoje motivo de indignação para muitos.

Esfera armilar
Esfera armilar

Depois de 3 horas a percorrer estas galerias é chegado o ponto alto da visita: a Capela Sistina. A julgar pela quantidade de pessoas que se concentra naquele espaço, creio que a igreja não estaria com falta de participantes na missa se Miguel Ângelo tivesse dado um ar da sua graça em cada capela do mundo. É proibido fotografar lá dentro, assim como sentar no chão ou nas escadas do altar. Não há problema, pelo menos para mim. Costumo respeitar quando não se podem tirar fotografias, e aqui, sem duvida que não são necessárias. Tal como “La Pietá”, também aqui nunca nenhuma fotografia ia captar a plenitude de estar ali mesmo debaixo do tecto mais belo do mundo (a seguir ao céu estrelado do deserto!).

pc-img_0625

Outra obra que me marcou foi a “Transfiguração” de Rafael. Mais que a Capela Sisitna, aqui é criado um ambiente verdadeiramente propicio à contemplação da beleza da pintura. Uma enorme sala escura, com as paredes cobertas de tapeçarias, e ao centro 3 obras deste génio, discretamente iluminadas. Mais uma que vale por si só uma ida ao Vaticano:

A Transfiguração
A Transfiguração

Cinco horas depois de la ter entrado desci a escada em dupla espiral cónica que nos trás de volta o mundo real.

pc-img_0631Já tinha visto o que mais me interessava em Roma. O resto do dia foi passado portanto a deambular pela cidade, e alguns cantos mais afastados do centro.

Castelo de St. Angelo
Castelo de St. Angelo

Pelo caminho, encontrei uma praça, que nem vem nos mapas, mas que depois de um dia a caminhar por Roma, foi eleito por mim o melhor lugar da cidade:

Piazza Farnese
Piazza Farnese

Tem duas grandes fontes em forma de banheira, óptimas para refrescar os pés. Não fui o único a ter essa ideia. Ainda por lá apareceu um policia a dizer que aquilo não era sitio para tomar banho. Todos tiraram os pés até ele virar costas.

Ponte Fabricio
Ponte Fabricio
Campidoglio
Campidoglio
Forum Boarium
Forum Boarium
Circo Máximo
Circo Máximo

Isto é o que resta do Circo Máximo de Roma. Serve hoje para umas corridas a pé 🙂

Monumento ao holocausto
Monumento ao holocausto

A Basílica de S. Paulo fica um pouco afastada do centro da cidade, numa zona muito calma, com poucos turistas, e é quase tão grandiosa como a de S. Pedro. Tal como já me tinha acontecido em S. João de Latrão, acabei por entrar pela porta lateral, julgando estar na principal. Só lá dentro dei por o erro fatal de quem está habituado a basilicas mais modestas.

Basilica de S. Paulo
Basilica de S. Paulo

Terminei o dia, já de rastos, na ultima estação de metro, na E.U.R., Exposição Universal de Roma. É uma zona limítrofe da cidade, construída à semelhança do nosso Parque das Nações para a exposição Universal de Roma, em 1942. Alberga hoje grandes empresas, e museus, que aquela hora ja estavam fechados.

Ao regressar ao hostel foi surpreendido com 4 raparigas brasileiras que tinham acabado de chegar a Roma depois de algumas aventuras por Veneza. Óptima oportunidade para praticar o português, língua que previa vir a falar pouco nas seis semanas seguintes.

Clique aqui para ver os outros dias desta viagem

Guardar

Guardar

Guardar

Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

2 COMENTÁRIOS

  1. BOA TARDE.
    MUITO INTERESSANTE A SUA VISITAÇÃO. MUITO MAIS INTERESSANTE, O TRAJETO QUE FIZESTE NA VIA APPIA antiga, SAINDO DA PORTA LATINA, tendo percorrido mais de 3 KM, passando pelo “Mausoleu de Romulo” e outros.
    VIAJEI PARA ITALIA EM JANEIRO/2.009.
    PARABENS.
    ROGÉRIO

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!