Cataratas Vitória, Mosi-oa-Tunya

Mosi-oa-Tunya, o fumo que troveja. É assim que chamam os habitantes locais a esta maravilha da natureza localizada na fronteira entre a Zâmbia e o Zimbabwe, escavada pelo rio Zambeze num maciço de basalto ao longo de milhares de anos.

O "fumo que troveja" visto à distância, na Zâmbia
O “fumo que troveja” visto à distância, na Zâmbia

Esta foi sem dúvida alguma a mais impressionante obra da natureza que vi até hoje. Visitei-as em Junho, no final da época em que o rio Zambeze se enche com o maior caudal. Bom, não tenho propriamente palavras para descrever o som, o vapor, o constante arco-íris, a energia que emana do fundo daquele vale.

Vou deixar que as imagens e os vídeos que aqui partilho transmitam um pouco do local e o levem a ir até lá.

Vamos então a questões mais práticas para organizar uma viagem até às cataratas Vitória.

A incrível força da natureza nas Cataratas Vitória
A incrível força da natureza nas Cataratas Vitória

Zâmbia ou Zimbabwe?

A resposta só pode ser: os dois! O rio Zambeze faz a fronteira entre os dois países, unidos pela ponte de ferro mandada construir por Cecil Rhodes como parte do seu projecto ferroviário para ligar o Cairo ao Cabo, pelo que se pode visitar as cataratas pelas duas margens.

Arco-íris na ponte sobre o Zambeze, unindo a Zâmbia ao Zimbábue
Arco-íris na ponte sobre o Zambeze, unindo a Zâmbia ao Zimbábue

 

Embora do lado do Zimbabwe haja mais para ver, o lado da Zâmbia não deixa de ser menos impressionante, para além de permitir uma maior aproximação ao rio.
A própria passagem da fronteira (passando a ponte a pé) é por si só uma experiência a não perder pelas vistas que oferece.

Cataratas Vitória vistas do lado do Zimbábue
Cataratas Vitória vistas do lado do Zimbábue

 

Quanto aos vistos, para entrar na Zâmbia há um visto de 24 horas, por 20USD que se tira na fronteira, para o caso de ir só às cataratas e voltar para trás. Atenção que eu passei do Zimbabwe para a Zâmbia, e embora tenha estado menos de 24h no país, como ia sair de avião a partir de Livingstone para a África do Sul fui obrigado a tirar um visto simples, que custou 50USD, já que não ia sair pelas mesma fronteira da entrada.

 

Cataratas Vitória vistas do lado da Zâmbia
Cataratas Vitória vistas do lado da Zâmbia

 

Se a sua base for a Zâmbia e quiser dar um salto ou seguir viagem para o Zimbabwe, também pode obter o visto na fronteira: 30USD visto simples, 45USD para 2 entradas e 55USD para múltiplas entradas, válidos por 30 dias.
Já agora, fica a dica: planeia de modo a visitar o lado da Zâmbia de manhã e do Zimbabwe à tarde, de modo a não apanhar o sol de frente, o que estraga as fotografias e não faz arco-íris.

 

Quando visitar

Não há propriamente uma altura do ano melhor ou pior para visitar as cataratas já que cada uma tem o seu encanto e características próprias, consoante o clima e o caudal do rio.
Época de cheias: Abril a Junho
Época seca: Novembro a Janeiro

Eu visitei em Junho, no final de época de maior caudal em que chegam a passar 6000m3 de água por segundo! Se for nestes dias, prepare-se para ficar molhado até aos ossos. Há pouco a fazer, a não ser que se mantenha à distância. A água vem de cima, dos lados e principalmente de baixo. O melhor é levar pouca roupa e alguma para trocar no final, dentro dum saco impermeável e claro, ter cuidado com as máquinas fotográficas.

Nas entradas dá para alugar um poncho impermeável, mas que na verdade de pouco serve…
O ideal seria visitar nas duas épocas do ano, pois se na época de cheia as vistas nem sempre são as melhores (do chão, já que de helicóptero a história é outra), na época seca não dá para sentir a colossal força da natureza dos dias de Junho.

A Carla e o Rui do viajarentreviagens.pt estiveram por lá na época mais seca e as imagens que partilham no seu blog dão para perceber bem a diferença. Espreitem aqui: Cataratas de Vitória

Eu no "Danger Point" lado do Zimbabwe em Junho 2014
Eu no “Danger Point” lado do Zimbabwe em Junho 2014

Do lado do Zimbabwe

Como já vinha há alguns dias a viajar neste país, optei por “sediar” a minha visita às cataratas em Vitoria Falls, no Zimbabwe. Fiquei ao todo 3 dias, sendo que só no último fui visitar as cataratas.

E porquê? Cheguei de comboio num sábado de manha, depois de uma viagem de comboio nocturna a partir de Bulawayo. Queria fazer várias coisas no dias que ia aqui passar pelo que decidi dividir assim: 1º dia: viagem de helicóptero sobre as cataratas, 2º dia: safari no parque de Chobe (Botswana), 3º dia: visita às cataratas e saída para a Zâmbia, já que a visita ao Chobe ocupava 1 dia inteiro.

Vitoria Falls (é mesmo assim o nome da cidade) foi construída orientada para o turismo: há hoteis, hostels, lodges, para todos os gostos, bares e discotecas, casino, hipermercados, lojas de recordações e muitas agências que oferecem todo o tipo de actividades que se possa imaginar, desde rafting no Zambeze, rappel nas paredes dos desfiladeiros, bungee jumping da ponte, etc, etc.

Para dizer a verdade, parece-me que para muita gente que aqui vem se esquece que está ao lado de uma das grandes maravilhas da natureza.

 

A entrada para o parque das cataratas fica e cerca de 1km do centro da cidade. É necessário algum cuidad0 à noite com os animais selvagens, assim como nos trilhos em redor, menos frequentados, mesmo durante o dia.

As portas estão abertas entre as 6h00 e as 18h00 e as entradas custam 30USD, ou 25€, podendo ser pago também noutras moedas da região.

Eu junto à estátua de David Livingstone, no Zimbábue
Eu junto à estátua de David Livingstone, no Zimbábue

Visitar do lado da Zâmbia

Na Zâmbia a base para visitar as cataratas é a cidade de Livingstone que fica a cerca de 10km destas.

Não sendo tão exclusivamente orientada para o turismo como Vitoria Falls, aqui não se sente tanto a pressão dos agentes de turismo, embora seja igualmente fácil marcar todo o tipo de actividades. Os alojamento mais baratos ficam na cidade, mas para carteiras mais folgadas é possível ficar num dos muitos resorts que ladeiam o rio.

 

A entrada nas cataratas fica mesmo junto ao posto fronteiriço e para lá chegar a partir da cidade o táxi vai custar 40ZMW (embora por vezes eles peçam 50).

As portas estão abertas entre as 6h00 e as 18h00 e a entrada custa

Contemplando a força da natureza do lado da Zâmbia
Contemplando a força da natureza do lado da Zâmbia

Cataratas de Helicóptero

Cataratas VitóriaVer as cataratas do ar é uma experiência obrigatória especialmente se for numa altura de muito caudal, como foi o meu caso.

A vista aérea oferece um perspectiva única do local e a oportunidade de ter a real noção da dimensão não só das cataratas como do imenso vale que se estende a jusante e que estas foram escavando ao longo de milénios.

O voo tem a duração aproximada de 15 minutos (mais do que suficiente para contemplar o local) e um custo de 140USD. Pode ser reservado em qualquer agência das que há na cidade. Eu reservei no próprio hostel, e à hora marcada estava lá uma carrinha para nos levar para o heliporto.

Tinha lido que há companhias em que o helicóptero tem bancos que levam 3 pessoas, pelo que a do meio acaba por ter uma visão limitada. Não sei se ainda é assim, as eu tive a sorte de ir com a minha irmã num helicóptero que levava ao todo 4 passageiros (ficara 2 lugares livres, em que um deles era no meio).

A companhia em que voei foi a Bonisair e fiquei bastante satisfeito com o serviço deles.

Video da viagem

Comer e dormir

Como já referi, tanto em Vitoria Falls como em Livingstone há oferta de alojamento para todos os gostos. Os locais em que eu fiquei foram estes:

Cataratas VitoriaZimbabwe – Shoestrings Backpackers Lodge

Tem disponíveis dormitórios, quartos simples e duplos, assim como espaço para acampar no jardim. Eu fiquei num dormitório de apenas 4 camas. É bastante limpo, com água quente sempre corrente, cozinha equipada para quem quiser cozinhar, embora haja também restaurante. Tem Wi-Fi, pago à parte.

Num gabinete há entrada há um senhor que organiza todo o tipo de actividade que se queiram fazer, o que é muito conveniente.

O único senão é que o bar funciona com música bem alta todos os dias, pelo que ninguém dorme antes da meia noite.

Preço do dormitório por noite: 10USD

Fawlty Towers hostel, Livingstone, ZambiaZâmbia – Fawlty Towers

Depois das noites mal dormidas no Zimbabwe o Fawlty Towers era mesmo o hostel que estava a precisar.

Tem provavelmente os dormitórios mais espaçosos de África (quiçá do mundo). Já vi quartos do mesmo tamanha com 12 camas, quando ali haviam apenas 4!

Enormes espaços comuns, biblioteca, bar, piscina, cozinha totalmente equipada, chá e café gratuito o dia todo e panquecas gratuitas às 15h00.

 

Claro que se o seu orçamento der para tal fique num dos mais emblemáticos hoteis de África: o próprio Victoria Falls ou, veja nesta página outras opções de alojamento mais próximas da natureza e orientadas para safaris e o contacto com a natureza.

Victoria Falls Hotel, no Zimbábue
Victoria Falls Hotel, no Zimbábue

Como chegar

Vitoria Falls – Zimbabwe

Cataratas VitoriaDe comboio

Esta foi a forma que eu usei para chegar às cataratas e a que recomendo a toda a gente. Brevemente irei escrever mais sobre esta viagem, que é feita num comboio histórico, bastante confortável e muito barato.

O serviço é realizado todos os dias a partir da cidade de Bulawayo, com saída às 19h30 e chegada pelas 9h00 da manhã. O preço em primeira classe é de apenas 12USD.

Na imagem a estação de Vitoria Falls.

Outros

Para além do comboio é possível fazer a viagem de autocarro. É mais rápido, mas mais caro e certamente menos confortável. Tanto de comboio como de autocarro, terá sempre de passar por Bulawayo, já que não há transporte directo de outras cidades, como Harare.

Outra opção é o avião. Há aeroporto em Vitoria Falls, com voos para as principais cidades dos países vizinhos, como a África do Sul.

Livingstone – Zâmbia

O meu plano inicial para esta viagem era fazer a volta ao contrário e apanhar o comboio de Lusaka para Livingstone. Acabei por optar por comprar um voo de Livingstone para Joanesburgo e poupar assim algumas 30h de autocarro e uma boa dor de costas.

Não tenho por isso muita informação sobre os transportes deste lado da fronteira, mas pelo que pesquisei o principio é o mesmo: o comboio é mais lento, mas mais barato, embora aqui não haja todos os dias.

Nesse caso a opção será apanhar um autocarro, que faz a viagem em metade do tempo. Para mais informações recomendo o site Seat61, que é uma verdadeira bíblia sobre as viagens de comboio.

 

Mapa


Ver Cataratas Vitória num mapa maior

  • david rodrigues

    Muito obrigado

  • Olá David,

    Como refiro em cima, penso que terá sempre de ir a Bulawayo, pois tenho quase a certeza que não há transporte directo. Aliás, não ha estrada de Harare para VItoria Falls que não passe por Bulawayo.
    É possível fazer a viagem em 24h assim: apanhar bus bem cedo de Harare para Bulawayo (pelas 6h00 ou perto), que chegará pelas 12h00 e ir logo à estação comprar bilhete (não arrisque ir noutra classe que não a 1ª) para essa noite. O comboio parte às 19h30 e estará nas Cataratas na manha seguinte.

    Boa viagem
    vai adorar o Zimbabwe

  • david rodrigues

    Queria saber como faco para ir por terra para as cataratas victoria de harare.
    poderia ajudar?

  • Pingback: Fugir à polícia no Zimbabwe | Dobrar Fronteiras()